Centro Social Nª Sra. de Fátima – Estoril


Ludoteca_11_11012011
Contactos:
Bairro Novo do Pinhal, nº 11 D e E – Galiza
2765-343 ESTORIL

Tel: 214683396
Email: galiza.centrosocial@salesianas.pt

ludotecadagaliza@gmail.com

» Blog da Ludoteca

Centro Social Nª Sra. de Fátima

O Centro Social Nª Sra de Fátima teve a sua origem nos anos 70. Nasceu do coração de uma FMA, em colaboração com um Salesiano e o auxílio de muitos benfeitores leigos. Enraizou-se no meio dos mais pobres entre os pobres, paredes meias com os mais ricos do Estoril. Durante três décadas procurou ser resposta imediata a tantos que necessitavam de auxílio urgente: crianças sem escolarização, doentes, pessoas idosas, sem trabalho, sem habitação, sem documentos… Foi escola para as primeiras letras, acompanhamento de jovens em perigo, consolidação de lares. Tudo se fez com muito amor, muito empenho, dedicação e abnegação, com confiança na Providência e apoio nos recursos humanos existentes.

A 13 de janeiro de 1993 foi aberta no local uma comunidade FMA de inserção. A Província fez um maior investimento em chave carismática, privilegiando a educação desde a mais tenra idade e reforçando as aprendizagens, na tentativa de minorar o insucesso escolar. Em Janeiro de 2002 iniciaram-se negociações com a autarquia, a fim de se obter apoio financeiro para uma valência estruturada, que abrangesse a idade escolar obrigatória: a Ludoteca, cujo funcionamento, em pleno teve início em Fevereiro de 2004. Em Maio de 2003, o Centro foi assumido como IPSS. Em Outubro de 2003, iniciaram-se as negociações com a autarquia a fim de assegurar o funcionamento do Centro de Dia, de forma devidamente estruturada e, no dia 13 de Janeiro de 2004, assinou-se um protocolo de qualificação técnica entre a Divisão de Assuntos Sociais e o Centro Social para a valência de Centro de Convívio para Pessoas Idosas.

Atualmente o Centro Social tem como valências/serviços:

  • Ludoteca;
  • Reforço escolar às crianças e adolescentes mais desfavorecidas;
  • Pastoral – Formação humana e cristã.
  • Apoio à comunidade, especialmente a famílias pobres da zona de Cascais / Estoril, através da recolha e distribuição de géneros alimentares.

Esta obra conta com uma equipa de funcionários com formação em diferentes áreas e um corpo de voluntariado integrado nas diversas atividades.

Apoio a comunidades ou grupos sociais excluídos ou vulneráveis

O apoio à comunidade onde está inserido o Centro Social acontece a vários níveis: cultural, social e educativo. A missão deste Centro é trabalhar numa linha de intervenção integrada. Da parceria com a Divisão de Intervenção Social brota a missão de informar, esclarecer, orientar e educar jovens que não têm emprego e, por isso, nem estudam e nem trabalham, promovendo-os e lançando-os na sociedade. Procura-se estar atento à pessoa, alertar de forma positiva, construtiva, no sentido de reforçar a autoestima, de encorajar o outro e promover a cidadania.

Relação do Centro Social com a comunidade

A população do Bairro Novo do Pinhal e Fim do Mundo é constituída por portugueses e imigrantes de várias origens e etnias, nomeadamente, ciganos, guineenses, cabo-verdianos, angolanos, moçambicanos e são-tomenses e 2ª geração de imigrantes (com nacionalidade portuguesa mas hábitos e vivências culturais de outros países).

O Centro Social caracteriza-se por uma grande abertura à comunidade. O trabalho que se tem vindo a desenvolver desde há longos anos neste território e o contacto direto e próximo com a população proporcionam um conhecimento real das necessidades e características da mesma, fazendo com que a população sinta confiança para recorrer a esta instituição, nas suas diferentes valências, para procurar apoio para qualquer situação.

Esta relação de confiança tem sido determinante nas respostas a dar à população, permitindo um apoio mais abrangente e direcionado aos problemas de cada um e da comunidade em que estão inseridos.

Reforço escolar das crianças e jovens

Um dos principais investimentos desta obra é ao nível da formação devido às características da população. Nesse sentido existem alguns serviços que foram criados para dar resposta a essa situação, nomeadamente:

  • Reforço para alunos do 1º, 2º e 3º ciclos, que permite acompanhar os alunos no que as famílias não conseguem assegurar;
  • acompanhamento das crianças de 1º ciclo desde a escola até ao bairro;
  • articulação com as escolas, a Divisão de intervenção social da CMC e outros parceiros da comunidade local, promovendo sinergias que melhoram a ação educativa e social;
  • mediação entre as famílias desta comunidade e as escolas e acompanhamento da situação escolar das crianças;
  • incentivo à participação ativa dos pais na escola, fazendo valer direitos e deveres, educando para a cidadania.
  • promoção de Encontros de Pais que visam a abordagem e discussão de temáticas relacionadas com a escola e a família;
  • proporcionar um espaço de pesquisa escolar em livro, com acompanhamento dos monitores;
  • criação de projetos de desenvolvimento de competências a vários níveis, abordados de forma lúdica;
  • apoio a famílias recém chegadas a Portugal com crianças e jovens em idade escolar, que ainda não se encontram enquadradas em escola;
  • apoio com material escolar e outros bens essenciais às crianças e jovens;
  • contribuição para o enriquecimento da cultura escolar através das visitas da ludoteca às escolas da zona e vice-versa, para desenvolver atividades lúdicas na área da leitura e dos jogos de tabuleiro ou de rua e da utilização de todas as áreas da ludoteca.

 

Educação/intervenção não formal e lúdica

A criação de uma ludoteca neste contexto reflete a importância que o Centro Social atribui à atividade lúdica como dimensão imprescindível ao desenvolvimento integral da criança. Este equipamento tem vindo a afirmar a sua presença como resposta diversificada que se reflete nas seguintes áreas:

  • proporciona um espaço de lazer de livre frequência a toda a comunidade – ludoteca – sem obrigatoriedade de permanência no espaço, o que educa para a escolha consciente, para uma cidadania ativa, a descoberta de que as escolhas que se fazem estão diretamente relacionadas com a responsabilidade que se assume em relação à vida presente e futura;
  • a informalidade, o à vontade e liberdade com que as pessoas da comunidade frequentam o espaço permite detetar, sinalizar, abordar, casos ou situações que requeiram intervenção de técnicos da área social, educativa, psicológica ou de saúde;
  • a organização do espaço os materiais selecionados, as atividades e a relação dos técnicos com os frequentadores da ludoteca promove o desenvolvimento de competências sociais, pessoais, emocionais, relacionais num ambiente seguro;
  • promoção da criatividade, da descoberta pessoal e artística, do desenvolvimento de interesses em várias áreas, ex.: espaço livre de artes, projetos de continuidade que levam à descoberta de outras competências e interesses;
  • estímulo ao enriquecimento cultural através da promoção de algumas atividades, como por exemplo,  saídas informais, passeios, atividades de descoberta, idas a teatro e espetáculos de musica, visitas a exposições e monumentos, participação em atividades desportivas, que proporcionam um contacto com outras realidades a que esta população habitualmente não tem acesso.
  • promoção de eventos com várias entidades associativas e culturais da zona, potenciando o protagonismo dos jovens e a sua participação através da expressão artística;

participação em vários eventos educativos e culturais promovidos pelo Município de Cascais.

null